Tag Archives: Gramsci

Quando dois mais dois somam cinco

“- Mostrei os dedos de minha mão. Viste cinco dedos. Lembras disso?
– Lembro.
O’Brien levantou os dedos da mão esquerda, escondendo o polegar.
– Aqui há cinco dedos. Vê cinco dedos?
– Vejo.
E viu mesmo, por um instante fugidio, antes de mudar a cena, no seu espírito. Viu cinco dedos, sem deformidade. Depois tudo voltou ao normal, e o velho medo, o ódio e o espanto regressaram de tropel. Mas houve um momento – não se lembrava da sua duração, trinta segundos, talvez – de certeza luminosa, em que cada nova sugestão de O’Brien enchera uma área de vazio e se transformara em verdade absoluta, e durante o qual dois e dois podiam perfeitamente ser cinco, se fosse necessário. Desapareceu antes de O’Brien ter baixado a mão. Embora não pudesse recapturá-lo, podia recordá-lo, como quem recorda uma vívida experiência num período remoto da vida, em que se foi, na verdade, uma pessoa diferente.
– Agora percebes que é possível – disse O’Brien.
– Sim.”
George Orwell, Nineteen Eighty-Four

Dois eventos ocorridos na mesma semana resumem formidavelmente o estado de intoxicação geral em que se encontra a consciência brasileira, sobretudo daqueles que se deixam influenciar pelas notícias da grande mídia. Enquanto a transgênero Rogéria afirma que não sofre com homofobia o candidato a presidente nas eleições de 2014, Levy Fidelix, foi condenado por prática homofóbica por dizer o óbvio: dois iguais não fazem filho.

“Estou muito feliz com essa oportunidade. Todo mundo reclama de homofobia, mas tenho 71 anos e estou no horário nobre. Por onde passo, só recebo carinho e reconhecimento das pessoas” – Rogéria

A condição de Rogéria desmente uma mentira repetida ad infinitum por partidos de esquerda, em especial o PSOL: no Brasil não há qualquer perseguição a homossexuais. (A propósito, essa rotina esquerdista de tentar capitalizar sobre uma perseguição imaginária já foi desmascarada em detalhes aqui neste blog no artigo Tirando o voto do armário.)

No entanto, se uma verdade universal como “2 + 2 = 4” é ignorada em nome de uma ideologia tão baixa a ponto de moldar o resultado da equação ao que melhor lhe convém então não se trata mais de argumentar com honestidade intelectual, mas de exercer o poder de censura sob quem quer que ouse apontar os fatos e, por consequência, contrariar o totalitarismo militante LGBT.

Se o caso de condenação de Fidelix já parece absurdo o que dirá então quando um membro da própria comunidade LGBT é acusado de homofobia?

A coisa foi tão séria que Talita (hoje Thiago Oliveira) precisou recorrer ao Ministério Público para ter sua integridade física preservada das ameaças de morte que recebeu.

Visando esclarecer o uso político da questão LGBT este blog convidou Thiago Oliveira para uma entrevista, a qual pode ser conferida a seguir:

Você chamou a atenção de todo o Brasil por furar o bloqueio da mídia quando o assunto é ativismo LGBT e tudo aquilo que vem a reboque dessa agenda política. A novidade que você trouxe ao debate público está menos centrado na crítica propriamente dita ao ideário LGBT do que em quem levanta a voz contra um discurso feito de autoengano. No ambiente LGBT, expor publicamente ideias pouco convencionais como a sua é nadar contra a corrente?

Olha, eu não diria nem nadar contra a corrente, mas sim observar que toda moeda tem dois lados. Eu vivi intensamente o mundo LGBT e posso afirmar com toda certeza que não é bem como eles passam, existe muita mentira e hipocrisia, pois os verdadeiros fatos eles não expõem.

É preciso ter muita lucidez, personalidade, fibra moral e coragem para contrapor a verdade objetiva dos fatos a toda casca de mentiras que recobrem o discurso da militância LGBT e, assim, denunciá-lo de uma posição privilegiada: desde dentro. Você esperava esse tipo de retaliação aos seus vídeos?

Sim, pois conhecendo bem esse mundo, sabia que eles não aceitariam a verdade exposta dessa maneira tão clara.

Uma das falácias do movimento tido como gayzista é vender a imagem de que religiosos, de uma forma geral, são intolerantes e encorajam a agressão aos homossexuais. Contrariando o discurso oficial do movimento LGBT o que se observou foi justamente o contrário: comunidades religiosas o acolheram enquanto você sentiu toda a ira dos ativistas LGBT. Em face disso, a imagem demonizada que estes grupos criam de pessoas como Silas Malafaia, Jair Bolsonaro, Magno Malta e Marcos Feliciano encontra alguma correspondência com o mundo real?

Não, claro que não. Pelo contrario, fui apoiado, respeitado e até ajudado moralmente porque fiquei exilado do mundo com medo que me acontecesse algo, pois as coisas que eu recebia, quase que diariamente, eram que eu deveria morrer, que meus dias estavam contados, que minha batata estava assando e etc. Mas ainda posso afirma que alguns dos nomes acima que eu tive contato sempre me respeitaram como eu era. Feliciano mesmo, sempre me tratou por Talita, sem nenhum problema. O fato deles pregarem o que a religião ensina não quer dizer que eles pessoalmente odeiem os LGBT pois, de forma contraria ao que eu fui tratado pelo movimento LGBT, eles me acolheram e estavam a meu lado me protegendo.

Hoje você parece ser bastante avesso a movimentos políticos de tintura revolucionária tendo, inclusive, alertado ao risco da comunidade LGBT flertar com a esquerda. Essa recusa ideológica nasce de alguma frustração com partidos políticos ligados a movimentos LGBT?

Frustração eu não tenho nenhuma, o problema é que depois que conhecemos a fundo o que realmente almejam é que se percebe que não está correto. Eu, por exemplo, era militante do PSOL e comecei a ver que eles faziam de tudo para ir de encontro aos direitos morais e tradicionais. Não creio que vivemos em uma sociedade tranquila para liberar drogas.  Muito menos os LGBTs vivem relações estáveis para se casarem ou adotarem uma criança, pois crianças não são animais que se compram em pet shop, elas precisam de uma base e uma grande parte dos relacionamentos LGBTs não são duradouros. E depois, o que fazer com a criança? No fim a criança terminará seus dias com mais problemas ainda. Já não basta trazer consigo o estigma da palavra adotado, deve viver ainda com pais separados que, por conta da promiscuidade vivida entre os LGBTs, não foram “felizes para sempre”, como prometido ao final das estórias de conto de fadas!

Desde que você passou a receber ameaças alguma responsabilidade foi apurada?

Não, nenhuma. Eu ligo para a polícia e eles não têm nenhuma resposta para me dar, apenas relatam que isso demora. Ou seja, não farão nada a respeito.

Soube que o Estado não lhe assegurou nenhum esquema especial de segurança, muito pelo contrário, quem se compadeceu de sua situação foi justamente o filósofo Olavo de Carvalho, uma pessoa que sequer mora no Brasil, mas que já fez mais em defesa de gays do que ONGs LGBT que operam abastecidas com dinheiro público. Este episódio escancara uma verdade inconveniente aos ativistas LGBT: “as pessoas que querem defender a minoria não respeitaram a menor minoria do planeta: o indivíduo.” Você acredita que a máscara do movimento LGBT caiu ou o brasileiro ainda compra esse imbróglio?

Olha a policia me ofereceu o Protege, um sistema de segurança que eu deveria deixar de ser quem eu sou, mudar de nome e endereço e não aparecer e, com isso, calarem a minha boca. Quanto ao professor Olavo, ele se dispôs a falar com amigos que fizeram a minha proteção pessoal. Fato curioso: quando eu procurei a secretaria de referência LGBT, onde fui atendido por um travesti que lá trabalha, eles praticamente disseram que como eu estava sendo contra o movimento LGBT que então eu me virasse. Até minhas ligações eles não atendiam mais. Ao invés de me proteger eles me abandonaram, apenas por não pensar como eles.

Gostaria que você falasse um pouco acerca da função que a mídia exerce na agenda LGBT. Apenas para citar um exemplo, você foi convidado a participar do programa Super Pop para falar de um problema sério – as ameaças contra sua integridade física – mas o que se viu foi a mais baixa promoção da agenda gayzista. O programa ficará marcado para sempre sob o signo da desonra ao inverter o eixo do debate. Por meio de giros semânticos, você saiu da condição de vítima e passou a ser retratado como agressor – transfóbico, nas palavras do ativista Bill Santos – ignorando completamente o mérito da questão. A mídia tem algum compromisso com a verdade?

A mídia deveria alerta a população sobre a verdade e, com isso, mostrar quem está com a razão, mas não, eles apenas pensam em ter audiência e não se preocupam com os fatos. Como todo comércio, se preocupam apenas em vender.

As alegações do militante LGBT Bill Santos compõem um conjunto de absurdos que, por si, já bastariam para desqualificá-lo de participar de qualquer debate público sério. Desde logo, percebemos que não estamos lidando com uma pessoa normal quando este diz coisas tais como: “transar com uma pessoa do mesmo sexo não é o suficiente para definir homossexualidade” ou ainda que “o homofóbico sente nojo do homossexual, mas ao mesmo tempo sente tesão por esse homossexual.” No entanto, contrariando todo senso de lógica, o próprio Bill Santos é uma força política dentro do PSOL tendo, inclusive, sido ele próprio candidato nas eleições passadas. A exemplo de Luciana Genro e Jean Wyllys, isso parece colocar o PSOL como o partido preferido do movimento LGBT. O teor de loucura nas teses da militância seria apenas um ardil para puxar votos usando a bandeira LGBT?

Hehehehe! Aquela tese foi fora do comum. Segundo o próprio Bill, agora homens que transam com homens não são mais homossexuais, e sim, homofóbicos. Quanto ao uso do ardil, penso que sim, eles usam de uma vitimização para que com isso consigam votos. A comunidade LGBT é muito ampla e a militância é bastante astuta para saber que se criarem uma falsa defesa, como a que eles costumam fazer, conseguirão conquistar a confiança. Agora, se eles realmente têm a intenção de defender alguém, no mínimo, eles tirariam os travestis das ruas e parariam de gastar com essas manifestações e passeatas, que em nada somam, e gastariam, então,  com a prevenção de doenças e qualificação profissional para, assim, integrá-los ao mercado de trabalho, ou até mesmo criariam uma lei de incentivos fiscais para que as empresas contratassem pessoas que são rejeitadas pelos mesmos como os travestis e etc.

Que recado você daria aos que orientam suas posições partidárias a partir de uma plataforma eleitoral em defesa de minorias, quaisquer que sejam essas minorias?

A verdadeira minoria é o individuo. Devemos suspeitar, sempre, de quem não os defende de forma correta porque quem defende uma minoria não acusa outra. Hoje tudo gira em torno da corrupção, ou seja, ganho de votos e dinheiro, que não é pouco.

Você esteve no olho do furacão, foi alvo de críticas e ameaçado de morte quando contrariou interesses de ONGs LGBT, sendo atacado covardemente por militantes de movimentos sociais, gente que se confundem com a própria atuação do Estado enquanto posam de vítimas. Diante dessa experiência você pôde sentir na pele o quanto o tratamento das partes envolvidas não é ponderado de maneira a equacionar a desproporcionalidade das forças. A isso dá-se o nome de guerra assimétrica. Nesta batalha, o cidadão tem o direito de tomar como expressão da verdade as afirmações de entidades que se dizem representantes dos direitos do povo como uma premissa autêntica?

Não, na verdade o que ocorre hoje é uma agenda criada por Karl Marx que tem por objetivo dividir a população através de conflitos como, por exemplo, o conflito entre brancos e negros, ou héteros contra LGBTs, pobres contra ricos, homens contra mulheres, etc. Se você olhar em torno é o que está acontecendo, de fato, com o nosso país. E assim eles vão agindo por trás, com seu poderoso plano maquiavélico de dominação e poder. Saibam que essa reforma política nada mais é do que constituir um poder ditatorial e totalitário a exemplo de Cuba, Venezuela e por aí vai. Como o aparelhamento do Estado existe há muito tempo, já se observam os efeitos disso no sistema de ensino, onde uma presidente que roubava bancos hoje passa por heroína porque isso não está nos livros de história. A população está cega e todos pagam o pato. Afinal é bem mais fácil manipular uma população sem estudo!!!

“Não haverá lealdade, exceto lealdade ao partido, mas sempre haverá a intoxicação pelo poder. Sempre, a cada momento, haverá a emoção da vitória, a sensação de pisar no inimigo impotente. Se você quer uma imagem do futuro imagine uma bota pisando em um rosto humano para sempre. A moral a ser retirada desta perigosa situação de pesadelo é simples: não deixar que isso aconteça, depende de você.”
George Orwell

Anúncios