Tag Archives: fraude eleitoral

O que sobrou do Brasil

Eleição com apuração secreta é fraude em si mesma, ainda que não haja manipulação na contagem dos votos. Assim, qualquer cidadão honesto não deve reconhecer a posse de Dilma Rousseff como um ato legítimo. Quem nomeia o advogado do próprio partido como juiz responsável por assegurar a lisura do pleito eleitoral não tem qualquer credibilidade para acusar o povo de golpista quando este se levanta contra o tsunami de desmandos do PT na gestão da coisa pública. E esse sentimento de rejeição já reverbera em toda a sociedade através de panelaços toda vez que a beneficiária do esquema de fraude eleitoral vai a público tentar explicar o inexplicável.

Se esse já era o clima político no Brasil a tendência é aumentar ainda mais a pressão depois do Conclave de Washington para a Democracia, evento organizado pelo brasileiro Dalmo Accorsini. Ocorrido no último sábado, dia 21, o conclave denunciou a interferência de uma organização internacional na apuração de votos na eleição presidencial de 2014. A saber, a Smartmatic, uma empresa venezuelana que opera a partir de acordos de cooperação com o Foro de São Paulo[1].

Os danos políticos ao PT decorrentes dessa iniciativa devem ser conhecidos em breve com a divulgação dos documentos que foram coletados para a denúncia da fraude eleitoral, até então desconhecidos do grande público.

Mas se a fraude eleitoral é tão patente a ponto de deixar um rastro de evidências materiais que lhe sirvam de denuncia por que então isso não vem sendo explorado pela mídia e, sobretudo, pela oposição?

A resposta a essa questão requer a compreensão de algo ainda mais abrangente: a atmosfera auto intoxicante do marxismo cultura. A exemplo de um peixe que ignora a existência da água, o cidadão comum já não é mais capaz de perceber que a totalidade daquilo que o circunda é composta de autoengano.

Um exemplo disso foi a eleição de 2010 em que o então presidente Lula comemorou o fato de que não haveriam candidatos de direita disputando a presidência. Ora, se a essência da democracia é a concorrência de propostas antagônicas então todas as disputas eleitorais por aqui não passam de um jogo de cartas marcadas. Se já não há mais espaço para o debate de ideias é porque uma força tornou-se tão hegemônica quanto normativa do pensamento oficial.

As raízes profundas dessa crise moral que sufocam o país decorrem de mais de 40 anos de ocupação de espaços em termos gramscianos, ou seja, a infiltração socialista na mídia, no sistema educacional, no parlamento, na administração pública, na igreja, no sindicato e etc sem que nunca seja necessário falar em socialismo e, ao mesmo tempo, ir introduzindo ideias e medidas socialistas de modo que todos se tornem socialistas sem o saber.

O resultado, nas palavras do fundador do partido comunista italiano, Antonio Gramsci, é que o partido se torne um poder onipresente e invisível de um imperativo categórico, de um mandamento divino.

Após anos de influência gramsciana o pensamento conservador simplesmente sumiu do cenário público nacional, configurando o que a socióloga alemã Elisabeth Noelle-Neumann chamou de a espiral do silêncio, em que um lado perde a vontade de falar por já não encontrar meios para tanto.

Outro efeito dessa ocupação de espaços gramsciana é a imbecilização dos estudantes. A partir do momento em que escolas e universidades passam a ser um espaço de promoção da agenda socialista o ensino em si deixa de ser prioridade para, em seu lugar, dedicar atenção às técnicas de indução de comportamento. O caso está muito bem documentado por Pascal Bernardin no livro Maquiavel Pedagogo e o Ministério da Reforma Psicológica (VIDE Editorial, 2013). A situação por aqui está tão deteriorada que nossos alunos tiram sistematicamente os últimos lugares em exames internacionais e pior, aproximadamente 50% dos universitários são analfabetos funcionais.

Posto nestes termos não é de se admirar que o brasileiro tenha demorado tanto tempo para perceber que corrupção é um valor intrínseco à própria esquerda e agora, muito tardiamente, começa a rejeitá-la com vigor nas manifestações de rua.

O processo de degradação da sociedade brasileira ao longo dos anos é objeto de estudos contínuos do filósofo Olavo de Carvalho que, não por acaso, foi convidado a falar no conclave. A íntegra de sua palestra pode ser conferida no vídeo a seguir.

Em tempo, o político que não endossar a apuração das denúncias do Conclave de Washington para a Democracia deve ser tratado como um colaborador do Foro de São Paulo e, assim, deve ser expulso da vida pública para sempre.

Nota:

  1. O Foro de São Paulo é uma associação de partidos políticos latino-americanos e organizações criminosas como os narco-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e os sequestradores chilenos do Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR) com o objetivo de ser a coordenação estratégica da esquerda na América Latina. Maiores detalhes sobre o Foro de São Paulo podem ser conferidos no excelente artigo intitulado Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil de Felipe Moura Brasil.
Anúncios

O que esperar das próximas eleições

Começa hoje a propaganda eleitoral gratuita e nos próximos três meses veremos atualizações regulares das pesquisas de intenções de votos. Os candidatos farão crer que há alguma transparência no processo democrático e que tudo transcorrerá na mais absoluta lisura.

Pois bem, tal aura de imparcialidade não passa de uma cortina de fumaça para ludibriar o eleitor desavisado que, jurando estar em pleno exercício de sua cidadania, irá digitar o número de seu candidato na urna eletrônica e confirmar o seu voto sem nunca ter a certeza que o voto foi mesmo computado corretamente.

Desde que a urna eletrônica foi adotada não há qualquer mecanismo de conferência e/ou auditoria após o encerramento das eleições justamente porque o sistema não permite a recontagem de votos em caso de dúvida.

A fragilidade do sistema eleitoral é patente e inúmeras denúncias já ganharam destaque em noticiários (ver vídeo abaixo), mas nada disso parece levar ao debate com o rigor que o tema requer.

Pioneiro em estudos acerca da segurança do voto na urna eletrônica brasileira, o programador de computadores especializado em segurança de dados, Amílcar Brunazo Filho, lembra que o Brasil é o único país no mundo a informatizar todo o sistema eleitoral.

Apesar de toda a propaganda de vanguarda veiculada pelo Tribunal Superior Eleitoral de que o país é um exemplo de eficiência e agilidade na apuração do resultado das eleições Brunazo alerta-nos para alguns problemas que sugerem que, ao contrário do que o governo anuncia, estamos remando contra a maré do bom senso:

Se a tecnologia está disponível, se existem recursos financeiros, se existem entidades a favor, então por que, no resto do mundo, o voto eletrônico tem resistido à informatização completa? Só há uma resposta para este aparente paradoxo: A questão da segurança do voto eletrônico ainda não foi resolvida de forma satisfatória!

Mas isso não é tudo. Ainda segundo Brunazo o sistema todo fere o princípio democrático de distinção das instâncias de poder:

Durante as eleições de 1998, o voto eletrônico foi regulamentado, desenvolvido, implantado e controlado pelo próprio TSE que, a este respeito, assumiu as funções legislativas, executivas e judiciárias em evidente afronta ao princípio da tripartição dos poderes!

Fonte: http://jus.com.br/artigos/1539/a-seguranca-do-voto-na-urna-eletronica-brasileira

Diante do exposto fica evidente que o sistema eleitoral em funcionamento é extremamente conveniente à quem detém os meios para aparelhamento do Estado.

Se o cenário já não inspirava confiança a nota preocupante fica por conta da notícia de que o TSE não fará testes públicos das urnas eletrônicas antes das eleições de 2014. É imperativo lembrar que no ano passado alguns testes independentes foram conduzidos pela UnB e foram detectadas falhas grosseiras no sistema de segurança da urna eletrônica.

Mas esta notícia não deve ser interpretada isoladamente. Um outro evento, aparente desconexo, irá determinar o rumo das próximas eleições: o ministro Dias Toffoli foi empossado presidente do TSE no dia 13 de Maio (mas que data mais sugestiva!) e comandará as eleições gerais de 2014.

Para entender quem é Dias Toffoli dentro da estrutura do partido reproduzo a seguir trechos do livro Década Perdida – Dez anos de PT no poder do historiador Marco Antonio Villa:

Recém-nomeado por Lula, o ministro do STF Dias Toffoli enfrentava diversas polêmicas sobre seu passado. Fora, por exemplo, reprovado — duas vezes — em concurso para juiz em São Paulo, em 1994 e 1995. Seu currículo era pobre.
Fora lembrado para o Supremo apenas por ter sido advogado do PT em várias campanhas eleitorais. E tinha contra si duas condenações em primeira instância, no Amapá — uma das quais impunha que devolvesse R$ 700 mil ao erário. Mas não ficava “só” nisso.
No escândalo das interceptações telefônicas feitas pela PF em 2008, Toffoli, à época advogado-geral da União, ignorara a lei federal e ajudara na defesa do ex-ministro Silas Rondeau, afastado do cargo e denunciado à Justiça por corrupção e formação de quadrilha. Nas conversas gravadas, ficaria evidente que Toffoli indicara o advogado de defesa — o mesmo que a própria Advocacia Geral da União deveria enfrentar no processo movido contra Rondeau. (p 199)

Sete anos após a denúncia do ex-deputado Roberto Jefferson, o mensalão, finalmente, começaria a ser julgado. Aguardava-se, porém, que o ministro Dias Toffoli se declarasse impedido de participar da análise do processo. Fora advogado do PT e assessor de José Dirceu na Casa Civil durante quase três anos, além de ter defendido Lula em três campanhas presidenciais.
Em 2002, para piorar, teve contas pagas pelo ex-tesoureiro do partido e réu no processo, Delúbio Soares. Em 2006, repetiu, em representações encaminhadas ao TSE, que o esquema “jamais” fora comprovado.
Sua namorada, Roberta Rangel, foi advogada do também réu Professor Luizinho, ex-deputado do PT; e seu irmão, José Ticiano Dias Toffoli, também petista, era prefeito de Marília. Mesmo assim, não se declarou impedido. E tampouco o procurador-geral solicitou tal impedimento — no que fez muito mal para o julgamento daquela ação penal. (p 256-257)