Tag Archives: Espiral do Silêncio

O que sobrou do Brasil

Eleição com apuração secreta é fraude em si mesma, ainda que não haja manipulação na contagem dos votos. Assim, qualquer cidadão honesto não deve reconhecer a posse de Dilma Rousseff como um ato legítimo. Quem nomeia o advogado do próprio partido como juiz responsável por assegurar a lisura do pleito eleitoral não tem qualquer credibilidade para acusar o povo de golpista quando este se levanta contra o tsunami de desmandos do PT na gestão da coisa pública. E esse sentimento de rejeição já reverbera em toda a sociedade através de panelaços toda vez que a beneficiária do esquema de fraude eleitoral vai a público tentar explicar o inexplicável.

Se esse já era o clima político no Brasil a tendência é aumentar ainda mais a pressão depois do Conclave de Washington para a Democracia, evento organizado pelo brasileiro Dalmo Accorsini. Ocorrido no último sábado, dia 21, o conclave denunciou a interferência de uma organização internacional na apuração de votos na eleição presidencial de 2014. A saber, a Smartmatic, uma empresa venezuelana que opera a partir de acordos de cooperação com o Foro de São Paulo[1].

Os danos políticos ao PT decorrentes dessa iniciativa devem ser conhecidos em breve com a divulgação dos documentos que foram coletados para a denúncia da fraude eleitoral, até então desconhecidos do grande público.

Mas se a fraude eleitoral é tão patente a ponto de deixar um rastro de evidências materiais que lhe sirvam de denuncia por que então isso não vem sendo explorado pela mídia e, sobretudo, pela oposição?

A resposta a essa questão requer a compreensão de algo ainda mais abrangente: a atmosfera auto intoxicante do marxismo cultura. A exemplo de um peixe que ignora a existência da água, o cidadão comum já não é mais capaz de perceber que a totalidade daquilo que o circunda é composta de autoengano.

Um exemplo disso foi a eleição de 2010 em que o então presidente Lula comemorou o fato de que não haveriam candidatos de direita disputando a presidência. Ora, se a essência da democracia é a concorrência de propostas antagônicas então todas as disputas eleitorais por aqui não passam de um jogo de cartas marcadas. Se já não há mais espaço para o debate de ideias é porque uma força tornou-se tão hegemônica quanto normativa do pensamento oficial.

As raízes profundas dessa crise moral que sufocam o país decorrem de mais de 40 anos de ocupação de espaços em termos gramscianos, ou seja, a infiltração socialista na mídia, no sistema educacional, no parlamento, na administração pública, na igreja, no sindicato e etc sem que nunca seja necessário falar em socialismo e, ao mesmo tempo, ir introduzindo ideias e medidas socialistas de modo que todos se tornem socialistas sem o saber.

O resultado, nas palavras do fundador do partido comunista italiano, Antonio Gramsci, é que o partido se torne um poder onipresente e invisível de um imperativo categórico, de um mandamento divino.

Após anos de influência gramsciana o pensamento conservador simplesmente sumiu do cenário público nacional, configurando o que a socióloga alemã Elisabeth Noelle-Neumann chamou de a espiral do silêncio, em que um lado perde a vontade de falar por já não encontrar meios para tanto.

Outro efeito dessa ocupação de espaços gramsciana é a imbecilização dos estudantes. A partir do momento em que escolas e universidades passam a ser um espaço de promoção da agenda socialista o ensino em si deixa de ser prioridade para, em seu lugar, dedicar atenção às técnicas de indução de comportamento. O caso está muito bem documentado por Pascal Bernardin no livro Maquiavel Pedagogo e o Ministério da Reforma Psicológica (VIDE Editorial, 2013). A situação por aqui está tão deteriorada que nossos alunos tiram sistematicamente os últimos lugares em exames internacionais e pior, aproximadamente 50% dos universitários são analfabetos funcionais.

Posto nestes termos não é de se admirar que o brasileiro tenha demorado tanto tempo para perceber que corrupção é um valor intrínseco à própria esquerda e agora, muito tardiamente, começa a rejeitá-la com vigor nas manifestações de rua.

O processo de degradação da sociedade brasileira ao longo dos anos é objeto de estudos contínuos do filósofo Olavo de Carvalho que, não por acaso, foi convidado a falar no conclave. A íntegra de sua palestra pode ser conferida no vídeo a seguir.

Em tempo, o político que não endossar a apuração das denúncias do Conclave de Washington para a Democracia deve ser tratado como um colaborador do Foro de São Paulo e, assim, deve ser expulso da vida pública para sempre.

Nota:

  1. O Foro de São Paulo é uma associação de partidos políticos latino-americanos e organizações criminosas como os narco-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e os sequestradores chilenos do Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR) com o objetivo de ser a coordenação estratégica da esquerda na América Latina. Maiores detalhes sobre o Foro de São Paulo podem ser conferidos no excelente artigo intitulado Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil de Felipe Moura Brasil.